TÓPICO ESPECIAL: OS CÉUS

No AT o termo "céu" é geralmente plural (i.e., shamayim, BDB 1029). O termo hebraico significa "altura". Deus habita nas alturas. Este conceito reflete a santidade e transcendência de Deus.

Em Gn 1.1 o PLURAL "céus e terra" tem sido visto como Deus criando (1) a atmosfera acima deste planeta ou (2) uma maneira de se referir a toda realidade (i.e., espiritual e física). A partir desta compreensão básica, outros textos foram citados como se referindo a níveis de céu: "céu dos céus" (cf. 68.33) ou "céu e o céu dos céus" (cf. Dt 10.14; I Rs 8.27; Ne 9.6; Sl 148.4). Os rabinos presumiam que poderia haver

1. dois céus (i.e., R. Judah, Hagigah 12b)

2. três céus (Test. Levi 2-3; Ascen. de Is 6-7; Misdrash Tehillim sobre Sl 114.1)

3. cinco céus (III Baruque)

4. sete céus (R. Simonb. Lakish; II Enoque 8; Ascen. de Is 9.7)

5. dez céus (II Enoque 20.3b; 22.1)

Todos estes eram destinados a mostrar a separação de Deus da criação física e/ou Sua transcendência. O número mais comum de céus no judaísmo rabínico era sete. A. Cohen, Everyman's Talmud [Talmude de Todo Homem] (p. 30), diz que estava relacionado às esferas astronômicas, mas eu acho que se refere a sete sendo o número perfeito (i.e., dias da criação com o sete representando o descanso de Deus em Gn 2.2).

Paulo, em II Co 2.2, menciona o "terceiro" céu (grego ouranos) como uma maneira de identificar a presença pessoal, majestosa de Deus. Paulo teve um encontro pessoal com Deus!



Copyright © 2014 Bible Lessons International