TÓPICO ESPECIAL: OS CRISTÃOS DEVERIAM JULGAR UNS AOS OUTROS?

A. Em 1 Coríntios 5.12 Paulo e a igreja deve lidar com os membros (v. 12 espera uma resposta "sim"), mas os crentes devem permitir que Deus lidar com não-membros. Os crentes não devem julgar uns aos outros (cf. Mt 7.1-5,15-20; Rm 14.1-15.13.), mas

1. devemos examinar frutos um do outro para posições de liderança (cf. 1 Cor. 6: 1-3; Mateus 7)

2. devemos exercer a disciplina da igreja quando a reputação da igreja está em risco

Isso é muitas vezes uma linha fina! Por implicação Paulo está afirmando que o homem pecador de 1 Coríntios 5 deve ser colocado no reino do julgamento de Deus (isto é, fora da igreja).

Pergunta-se como este contexto relaciona-se às sociedades modernas, onde crentes e não-crentes têm uma oportunidade de votar para regular as normas sociais. Crentes devem participar ativamente no processo político? Este contexto é limitado à decisão em matéria de disciplina da igreja e da democracia não ocidental moderna. Os crentes são cidadãos de dois reinos com obrigações e privilégios em ambos! O Espírito de Deus, a vontade de Deus, e o Livro de Deus nos ajuda, como crentes, a encontrar o nosso caminho neste mundo caído, mas os incrédulos são explorados e manipulados pelo pecado, si próprios, e Satanás. Eles precisam de nosso testemunho e compaixão, não nosso julgamento de justiça próprio. Eles não são capazes de compreender os nossos motivos, propósitos e ações.

O problema de quando e como os cristãos devem "julgar" o outro causou vários manuscritos gregos a alterar este texto.

1. O muito primitivo manuscrito de papiro P46 (cerca de 200 dC), bem como a tradução Bahairic Copta (3º século) e tradução Peshitta Siríaca (século 5) apenas omite a negativa e traduz a sentença como um IMPERATIVO "julgueis aqueles que são dentro [da igreja] "(cf. Bruce M. Metzger, A Textual Commentary on the Greek New Testament [Um Comentário Textual no Novo Testamento Grego], p. 551).

2. A tradução Sahidic Copta (terceiro século) coloca a negativa com a frase anterior, "O quê tenho eu em julgar aqueles que estão fora e não aqueles que estão dentro? Julge aqueles que estão dentro" (Metzger, p. 51 ).

3. O texto UBS4 nem sequer reconhece a possibilidade dessas variantes como originais.

B. Este assunto deve ser tratado de duas maneiras

1. os crentes são admoestados a não julgar uns aos outros (cf. Mt 7.1-5; Lucas 6.37, 42; Rm 2.1-11; Tg 4.11, 12)

2. os crentes são admoestados a avaliar os líderes (cf. Mt 7.6, 15, 16; I Co 14.29; I Ts 5.21; I Tm 3.1-13; e I João 4.1-6)

Alguns critérios para avaliação adequada podem ser úteis.

1. a avaliação deveria ser para o propósito de afirmação (cf. I João 4.1 – "testar" para aprovação)

2. a avaliação deve ser feita em humildade e delicadeza (cf. Gl 6.1)

3. a avaliação não deve focar nas questões de preferência pessoal (cf. Rm 14.1-23; I Co 8.1-13; 10.23-33)

4. A avaliação deveria identificar aqueles líderes que tenham "nenhum pretexto para crítica" de dentro da Igreja ou da comunidade (cf. I Timóteo 3)



Copyright © 2014 Bible Lessons International