TÓPICO ESPECIAL: PEDRO, O HOMEM

 

I. SUA FAMÍLIA

A. A família de Pedro vivia na Galiléia dos Gentios na cidade de Betsaída na margem norte do Mar da Galiléia (ou Mar de Tiberíades cf. João 1.44), mas aparentemente mudou-se para Cafarnaum em algum momento (cf. Marcos 1.21, 29).

B. O nome do pai de Pedro era Jonas (cf. Mt 16.17) ou João (cf. João 1.42; 21.15-17).

C. Seu nome dado era Simão (cf. Marcos 1.16, 29, 30, 36), que era comum na Palestina do primeiro século. Era a forma Judaica de Simeão (cf. Atos 15.14; II Pe 1.1). Jesus lhe deu o nome de Pedro (Petros, que significa "rocha”, destinado a descrever sua força e estabilidade final) em Mt 16.18; Marcos 3.16; Lucas 6.14; e João 1.42. A forma Aramaica é Cefas (cf. João 1.42; I Co 1.12; 3.22; 9.5; 15.5; Gl 1.18; 2.9, 11, 14). Frequentemente no NT esses dois nomes eram dados juntos (cf. Mt 16.16; Lucas 5.8; João 1.40; 6.8, 68; 13.6, 9, 24, 36; 18.10, 15, 25; 20.2, 6; 21.2, 3, 7, 11, 15).

D. O nome do irmão de Pedro era André (cf. Marcos 1.16). Ele era um discípulo de João Batista (cf. João 1.35, 40) e mais tarde um crente e seguidor de Jesus (cf. João 1.36, 37). Ele levou Simão a Jesus (cf. João 1.41). Vários meses depois Jesus os confrontou diante do Mar da Galiléia e os chamou para serem Seus discípulos oficiais de tempo integral (cf. Mt 4.18-20; Marcos 1.16-18; e Lucas 5.1-11).

E. Ele era casado (cf. Marcos 1.30; I Co 9.5), mas não há menção de filhos.

II. SUA OCUPAÇÃO

A. A família de Pedro possuía vários barcos de pesca e até servos contratados.

B. A família de Pedro pode sido sócia com Tiago, João e seu pai, Zebedeu (cf. Lucas 5.10).

C. Pedro voltou a pescar brevemente depois da morte de Jesus (cf. João 21).

III. SUA PERSONALIDADE

A. Os pontos fortes de Pedro

1. Ele era um seguidor dedicado, mas muito impulsivo (cf. Marcos 9.5; João 13.4-11).

2. Ele tentou atos de fé, mas freqüentemente falhou (e.g., andar sobre as águas, cf. Mt 14.28-31).

3. Ele era corajoso e disposto a morrer (cf. Mt 26.51, 52; Marcos 14.47; Lucas 22.49-51; João 18.10, 11).

4. Depois de Sua ressurreição, Jesus dirigiu-se pessoalmente a ele como o desacreditado líder dos Doze em João 21 e providenciou uma oportunidade para o arrependimento e restauração à liderança.

B. As fraquezas de Pedro

1. Ele tinha inicialmente tendências para o legalismo judaico

a. comendo com os gentios (Gl 2.11-21)

b. leis de alimento (Atos 10.9-16)

2. Ele, como todos os Apóstolos, não entendeu plenamente os novos ensinamentos radicais de Jesus e suas implicações

a. Marcos 9.5, 6

b. João 13.6-11; 18.10, 11

3. Ele foi castigado pessoalmente e severamente por Jesus (Marcos 8.33; Mt 16.23)

4. Ele foi encontrado em sono profundo em vez de orando na grande hora de necessidade de Jesus no Getsêmani (Marcos 14.32-42; Mt 26.36-46; Lucas 22.40-60)

5. Ele negou repetidamente que conhecia Jesus (Marcos 14.66-72; Mt 26.69-75; Lucas 22.56-62; João 18.16-18, 25-27)

IV. SUA LIDERANÇA DO GRUPO APOSTÓLICO

A. Há quatro listas dos Apóstolos (cf. Mt 10.2-4; Marcos 3.16-19; Lucas 6.14-16; Atos 1.13). Pedro é sempre listado primeiro. Os doze são divididos em três grupos de quatro. Eu acredito que isso lhes permitia alternarem em casa para visitarem suas famílias.

B. Pedro freqüentemente serve como o porta-voz do grupo Apostólico (cf. Mt 16.13-20; Marcos 8.27-30; Lucas 9.18-21). Essas passagens têm sido usadas com frequência para afirmar a autoridade de Pedro dentro do grupo (cf. Mt 16.18). No entanto, dentro desse exato contexto ele é repreendido por Jesus como um instrumento de Satanás (cf. Mt 16.23; Marcos 8.33). Além disso, quando os discípulos estão discutindo sobre quem é o maior, Pedro não é cogitado a essa posição (cf. Mt 20.20-28, especialmente v 24, Marcos 9.33-37; 10.35-45).

C. Pedro não era o líder da Igreja de Jerusalém. Isso coube a Tiago, o meio irmão de Jesus (cf. Atos 12.17; 15.13; 21.18; I Co 15.7; Gl 1.19; 2.9, 12).

V. SEU MINISTÉRIO DEPOIS DA RESSURREIÇÃO DE JESUS

A. O papel da liderança de Pedro é claramente vista nos primeiros capítulos de Atos

1. Ele conduziu a eleição da substituição de Judas (cf. Atos 1.15-26).

2. Ele pregou o primeiro sermão no Pentecostes (cf. Atos 2).

3. Ele curou um paralítico e pregou o segundo sermão registrado (cf. Atos 3.1-10; 3.11-26).

4. Ele falou ousadamente ao Sinédrio em Atos 4.

5. Ele presidiu sobre a disciplina da igreja de Ananias e Safira em Atos 5.

6. Ele falou no Concílio de Jerusalém em Atos 15.7-11.

7. Vários outros eventos e milagres são atribuídos a ele em Atos.

B. Pedro, no entanto, nem sempre incorporava todas as implicações do Evangelho

1. Ele reteve a mentalidade do AT (cf. Gl 2.11-14)

2. Ele teve que receber uma revelação especial para incluir Cornélio (cf. Atos 10) e outros gentios.

VI. OS ANOS DE SILÊNCIO

A. Há pouca ou nenhuma informação sobre Pedro depois do Concílio de Jerusalém de Atos 15

1. Gálatas 1.18

2. Gálatas 2.7-21

3. I Coríntios 1.12; 3.22; 9.5; 15.5

B. Tradição da igreja primitiva

1. Pedro sendo martirizado em Roma é mencionado na Carta de Clemente de Roma para a igreja em Corinto em 95 A.C.

2. Tertuliano (150-222 A.D.) também observa o martírio de Pedro em Roma sob Nero (54-68 A.D.).

3. Clemente de Alexandria (200 A.D.) diz que Pedro foi morto em Roma.

4. Orígenes (252 A.D.) diz que Pedro foi martirizado por crucificação, de cabeça para baixo, em Roma.