TÓPICO ESPECIAL: POESIA HEBRAICA

 

I. INTRODUÇÃO

A. Este tipo de literatura constitui 1/3 do Antigo Testamento. É especialmente comum nas seções "Profetas" (todos exceto Ageu e Malaquias contêm poesia) e "Escritos" do cânon hebraico.

B. É muito diferente da poesia portuguesa. A poesia portuguesa é desenvolvida da poesia grega e latina, que é primordialmente baseada no som. A poesia hebraica tem muito em comum com a poesia cananéia. É basicamente baseada no pensamento em linhas equilibradas, paralelas.

C. A descoberta arqueológica do norte de Israel em Ugarite (Ras Shamra) tem ajudado os estudiosos entender a poesia do AT. Esta poesia do século 15 A.C. tem obviamente ligações com a poesia bíblica.

 

II. CARACTERÍSTICAS GERAIS DA POESIA

A. É muito compacta.

B. Tenta expressar verdade, sentimentos ou experiências em imagens.

C. É fundamentalmente escrita não oral. É altamente estruturada. Esta estrutura é expressa em:

1. linhas equilibradas (paralelismo)

2. jogos de palavra

3. jogos de som

 

III. A ESTRUTURA (R. K. Harrison, Introduction to the Old Testament [Introdução ao Antigo Testamento], pp. 965-975

A. O Bispo Robert Lowth em seu livro Lectures on the Sacred Poetry of the Hebrews [Palestras sobre a Poesia Sagrada dos Hebreus] (1753) foi o primeiro a caracterizar a poesia bíblica como linhas equilibradas de pensamento. A maioria das traduções inglesas modernas é formatada para mostrar as linhas da poesia.

1. sinônimo – as linhas expressam o mesmo pensamento em palavras diferentes:

a. Salmo 3.1; 49.1; 83.14; 103.3

b. Provérbios 19.5; 20.1

c. Isaías 1.3, 10

d. Amós 5.24; 8.10

2. antitético – as linhas expressam pensamentos opostos por meio de contraste ou afirmando o positivo e negativo:

a. Salmo 1.6; 90.6

b. Provérbios 1.29; 10.1, 12; 15.1; 19.4

3. sintético – as próximas duas ou três linhas desenvolvem o pensamento – Sl 19.7-9

4. quiástico – um padrão de poesia que expressa a mensagem numa ordem descendente e ascendente. O ponto principal é encontrado no meio do padrão.

B. A. Briggs em seu livro General Introduction to the Study of Holy Scripture [Introdução Geral ao Estudo da Escritura Sagrada] (1899) desenvolveu a seguinte etapa de análise da poesia hebraica:

1. emblemática – uma oração literal e a segunda metafórica, Sl 42.1; 103.3

2. climática ou em forma de escada – as orações revelam a verdade de uma maneira ascendente, Sl19.7-14; 29.1, 2; 103.20-22.

3. Introvertida – uma série de orações, geralmente pelo menos quatro são relacionadas pela estrutura interna da linha 1 a 4 e 2 a 3 – Sl 30.8-10a

C. G. B. Gray em seu livro, The Forms of Hebrew Poetry [As Formas da Poesia Hebraica] (1915) desenvolveu o conceito de orações equilibradas além disso por:

1. equilíbrio completo – onde cada palavra na linha um é repetida ou equilibrada por uma palavra na linha dois – Salmo 83.14 e Isaías 1.3

2. equilíbrio incompleto – onde as orações não são do mesmo comprimento – Sl 59.16; 75.6

D. Hoje há um reconhecimento crescente do padrão estrutural literário em hebraico chamado quiasmo, que geralmente denota um número de linhas paralelas (a, b, b, a; a, b, c, b, a) formando a configuração de uma ampulheta, frequentemente a linha(s) central é enfatizada.

E. Tipo de padrões de som encontrados na poesia em geral, mas não frequentemente na poesia oriental

1. jogo no alfabeto (acróstico, cf. Sl 9, 34, 37, 119; Pv 31.10ss ; Lamentações 1-4)

2. jogo nas consoantes (aliteração, cf. Sl 6.; 27.7; 12.6; Is 1.18-26)

3. jogo nas vogais (assonância, cf. Gn 49.17; Êx 14.14; Ez 27.27)

4. jogo na repetição de palavras que soam similar com significados diferentes (paranomásia)

5. jogo nas palavras que, quando pronunciadas, soam como a coisa que elas nomeiam (onomatopéia)

6. abertura e conclusão especial (inclusiva)

F. Há vários tipos de poesia no Antigo Testamento. Algumas são relacionadas com tópico e algumas são relacionadas com a forma:

1. canção de dedicação – Nm 21.17, 18

2. canções de trabalho – (aludidas mas não registradas em Jz 9.27); Is 16.10; Jr 25.30; 48.33

3. baladas – Nm 21.17-30; Is 23.16

4. canções de bebida – negativa, Is 51.1-13; Amós 6.4-7 e positiva, Is 22.13

5. poemas de amor – Cantares, enigma de casamento – Jz 14.10-18, canção de casamento – Sl 45

6. lamentos/canto fúnebre – (aludido mas não registrado em II Sm 1.17 e II Cr 35.25) II Sm 3.33; Sl 27, 28; Jr 9.17-22; Lm; Ez 19.1-14; 26.17, 18; Na 3.15-19

7. canções de guerra – Gn 4.23, 24; Êx 15.1-18; Nm 16.35, 36; Js 10.13; Jz 5.1-31; 11.34; I Sm 18.6; II Sm 1.18; Is 47.1-15; 37.21

8. bênçãos especiais ou benção de líder – Gn 49; Nm 6.24-26; Deuteronômio 32; II Sm 23.1-7

9. textos mágicos – Balaão, Nm 24.3-9

10. poemas sacros – Salmos

11. poemas acrósticos – Sl 9, 34, 37, 119; Pv 31.10ss e Lamentações 1-4

12. maldições – Nm 21.22-30

13. poemas de sarcasmo – Is 14.1-22; 47.1-15; Ez 28.1-23        

14. um livro de poemas de guerra (Jashar) - Num. 21.14-15; Josh. 10.12-13; 2 Sam. 1.18

 

IV. DIRETRIZ PARA INTERPRETAR POESIA HEBRAICA

A. Procure a verdade central da estância ou estrofe (isto é como um parágrafo em prosa). A RSV [Revised Standard Version] foi a primeira tradução moderna a identificar poesia por estâncias. Compare traduções modernas para percepções úteis.

B. Identifique a linguagem figurada e expresse-a em prosa. Lembre que este tipo de literatura é muito compacto, muito é deixado para o leitor preencher (veja o Tópico Especial: Literatura de Sabedoria).

C. Não deixe de relacionar os poemas orientados por assuntos mais longos com seu contexto literário (frequentemente o livro todo) e cenário histórico. Tente expressar a verdade central com suas próprias palavras.

D. Juízes 4 & 5 são muito úteis ao ver como poesia expressa história. Juízes 4 é prosa e Juízes 5 é poesia do mesmo evento (Compare também Êx 14 e 15).

E. Tente identificar o tipo de paralelismo envolvido, se sinônimo, antitético ou sintético. Isto é muito importante.