TÓPICO ESPECIAL: SABBATH

 

Provém da palavra hebraica (BDB 992, KB 1409) significando "descanso” ou "cessação”. Está relacionada ao sétimo dia da Criação (veja The Lost World of Genesis One [O Mundo Perdido de Gênesis Um], de John H. Walton) quando Deus cessou seu trabalho depois de finalizar a criação inicial (cf. Gn 2.1-3). Deus não descansou porque Ele estava cansado, mas porque (1) a criação estava completa e era boa (cf. Gn 1.31) e (2) para dar à humanidade um padrão regular para adoração e descanso. O uso como um dia de adoração começa com Gênesis 2.2-3, onde YHWH usa seu descanso como um padrão para os animais (cf. Êx 23.12) e à humanidade (os humanos precisam de uma programação regular de trabalho, descanso e adoração). O Sabbath começa como todos os dias de Gn 1, no crepúsculo; portanto, do crepúsculo na sexta-feira ao crepúsculo no sábado era o período de tempo oficial. Todos os detalhes da sua observância são dados em Êxodo (especialmente os capítulos 16, 20,31 e 35) e Levítico (especialmente os capítulos 23-26). O primeiro uso especializado deste dia por Israel foi em Êxodo. 16.25-26 no recolhimento do maná. Em seguida, ele se torna parte das "Dez Palavras" (cf. Êx 20.8-11.; Dt. 5.12-15). Este é um exemplo onde os Dez Mandamentos em Êxodo 20 são ligeiramente diferentes dos Dez Mandamentos em Deuteronômio 5. Deuteronômio está a preparar Israel para a vida agrícola estabelecida em Canaan.

Os fariseus tinham tomaram essas normas e, por suas tradições orais, as interpretaram (ou seja, Tradições Orais) para incluir muitas regras. Jesus frequentemente realizava milagres, violando de propósito suas regras meticulosas para entrar num diálogo com eles (cf. Mateus 12). Não era o Sabbath que Jesus rejeitava ou menosprezava, mas o seu legalismo hipócrita e falta de amor (cf. Marcos 2.27-28)

As igrejas primitivas adoraram tanto o sábado e o primeiro dia da semana (ou seja, o domingo, dia da ressurreição, cf. João 20.1,19; Atos 20.7; 1 Cor 16.2). A Sinagoga dirigiu-se ao crescente movimento cristão através da exigência a seus membros em rejeitar Jesus como o Messias (ou seja, o Dezoito Bênçãos). Neste ponto (ou seja, 70 d.C.) os cristãos começaram a se reunir exclusivamente no domingo.