TÓPICO ESPECIAL: TERAFIM

 

A palavra hebraica (etimologia incerta) para "ídolos" é teraphim (BDB 1076, KB 1794). Esses ídolos poderiam ser muito grandes (cf. 1 Sam. 19: 13,16), ou muito pequenos, de modo a caber na sela do camelo de Rachel (Gn 31.34). Entendemos a partir das Tabuletas Nuzi que estes ídolos eram um sinal de direitos de herança, portanto Rachel pode tê-los roubado como um símbolo de sua compreensão dos atos ilegais de Labão em relação a sua herança ou para mais tarde afirmar o direito de seu filho a herdar a propriedade de Jacó. Alguns dizem que ela roubou-os para que Labão não pudesse adivinhar o paradeiro deles (ou seja, Rashi, cf. Gen. 30.27). Estes terafins foram usados para adivinhação (cf. Zc. 10.2). Eles muitas vezes aparecem em associação a "a estola sacerdotal" (cf. Rs. 17.5; 18.14-20; e Oséias 3.4). Eles estão condenados como sendo idólatra em I Sam. 15.23.

A partir de diferentes partes do AT uma descrição composta é difícil:

1. ídolos de casa pequenos e portáveis, Gn 31.19, 34, 35

2. ídolo grande em de forma de ser humano, I Sm 19.13, 16

3. ídolos usados nos lares, mas também em santuários, Jz 17.5; 18.14, 17, 18; Oséias 3.4

4. ídolos usados para saber o futuro ou a vontade dos deuses/deus

a. condenados e paralelos com adivinhação, I Sm 15.23

b. condenados e paralelos com médiuns, espíritas e ídolos, II Rs 23.24

c. condenados e paralelos com adivinhação, flechas sacudidas e inspecionar o fígado de uma ovelha, Ez 21.21

d. condenados e paralelos com adivinhadores e falsos profetas, Zc 10.2