TÓPICO ESPECIAL: TIPOLOGIA

 

O uso de alegoria de Filo e da igreja primitiva e o uso de Paulo da mesma técnica diferiam significativamente. Os primeiros ignoravam totalmente o cenário histórico, desenvolvendo ensinos inteiramente entranho à intenção do autor original (isto é, encontrou paralelo no pensamento de Platão). A abordagem de Paulo é melhor caracterizada como tipologia. Paulo supunha o cenário histórico de Gênesis e a unidade do Antigo e Novo Testamento, assim ele pôde construir sobre as similaridades entre eles porque eles têm um único autor – Deus. Nesse contexto em particular (isto é, Gal. 3-4), Paulo comparou a Aliança Abraâmica e a Aliança Mosaica e tira aplicação para a Nova Aliança de Jr 31.31-34 e para o NT.

Quatro conexões em 4.21-31 podem ser tiradas.

1. as duas mães significam duas famílias; uma formada por meio natural, e outra por promessa sobrenatural

2. há tensão entre essas duas mães e seus filhos como há tensão entre a mensagem dos judaizantes e o evangelho de Paulo.

3. ambos os grupos afirmavam ser descendentes de Abraão, mas um estava na servidão para a Lei Mosaica e o outro estava livre na obra consumada de Cristo

4. duas montanhas estavam ligadas a essas diferentes alianças, Mt. Sinai com Moisés e Mt. Sião com Abraão. Mt. Sião ou Monte Moriá era onde Abraão ofereceu Isaque como um sacrifício (cf. Gn 22), que depois se tornou Jerusalém. Abraão estava procurando uma cidade celestial (Hb 11.10; 12.22; 13.14, a Nova Jerusalém, Isaías 40-66) não uma Jerusalém terrena.

Paulo pode ter usado essa tipologia porque

 

1. os falsos mestres tinham usado essa mesma abordagem para sua vantagem de afirmar serem a verdadeira descendência de Abraão

2. os falsos mestres podem ter usado uma alegoria dos escritos de Moisés para empurrar sua teologia pactual judaica, assim Paulo usa o pai da fé judaica, Abraão

3. Paulo pode ter usado isso por causa de Gn 21.9, 10, que é citado no versículo 30 e diz, "lança fora” o filho natural; na analogia de Paulo isto poderia referir-se aos judaizantes

4. Paulo pode ter usado isso por causa do exclusivismo dos falsos mestres judeus, particularmente no seu pelos gentios; na tipologia de Paulo os gentios são aceitos e os racialmente confiantes são rejeitados por Deus (cf. Mt 8.11, 12)

5. Paulo pode ter usado essa tipologia porque ele vem enfatizando "filiação” e "herança” nos capítulos 3 & 4. Este era o coração deste argumento: nossa adoção na família de Deus pela fé através de Cristo somente, não de descendente natural.