TÓPICO ESPECIAL: PRÁTICAS DE SEPULTAMENTO

 

I. Mesopotâmia

A. O sepultamento apropriado era muito importante para uma vida feliz depois da morte, que foi muitas vezes visto como uma extensão desta vida (veja o Tópico Especial: Onde Estão os Mortos?)

B. Um exemplo de uma maldição mesopotâmica era: "que a terra não receba seus cadáveres”.

II. Antigo Testamento

A. O sepultamento apropriado era muito importante (cf. Ec. 6:3).

B. Era feito muito rápido (cf. Sara em Gênesis 23 e Raquel em Gn. 35.19 e observe Deut. 21.23).

C. Sepultamento impróprio era um sinal de rejeição e pecado.

1. Deuteronômio 28.26

2. Isaías 14.20

3. Jeremias 8.2; 22.19

D. Os sepultamentos eram feitos se possível em sepulcros de família ou jazigo da área de residência (ou seja, “dormiu com seus pais”)

E. Não havia embalsamamento, como no Egito. O homem veio do pó e deve retornar ao pó (ex. Gn. 3.19; Sl. 103.14; 104.29). Além disso, observe o Tópico Especial: Cremação.

F. No Judaísmo rabínico era difícil equilibrar um respeito apropriado e manuseio do com o conceito de impureza cerimonial relacionado aos corpos mortos.

III. Novo Testamento

A. O sepultamento seguia a morte rapidamente, geralmente dentro de vinte e quatro horas. Os Judeus frequentemente vigiavam o sepulcro durante três dias, acreditando que a alma poderia retornar ao corpo dentro dessa sessão de tempo (cf. João 11.39).

B. O sepultamento envolvia a limpeza e envolvimento do corpo em tiras (cf. João 11.44; 19.39, 40).

C. Não havia distinção entre os procedimentos de sepultamento (ou itens colocados na sepultura) judaico ou cristão na Palestina do primeiro século.