TÓPICO ESPECIAL: TERMOS DO NT PARA O RETORNO DE CRISTO

 

A ênfase escatológica de um dia especial que se aproxima quando os seres humanos encontrarão Jesus (como Salvador e Juiz) segue várias designações nos escritos de Paulo.

1. "o Dia de nosso Senhor Jesus Cristo” (cf. I Co 1.8)

2. "o Dia do Senhor” (cf. I Co 5.5; I Ts 5.2; II Ts 2.2)

3. "o Dia do Senhor Jesus (cf. I Co 5.5; II Co 1.14)

4. "o Dia de Cristo Jesus” (cf. Fp 1.6)

5. "o Dia de Cristo” (cf. Fp 1.10; 2.16)

6. "seu dia (Filho do Homem) (cf. Lucas 17.24)

7. "o dia em que o Filho do Homem se manifestar” (cf. Lucas 17.30)

8. "a revelação de nosso Senhor Jesus Cristo” (cf. I Co 1.7)

9. "quando do céu se manifestar o Senhor Jesus” (cf. I Ts 1.7)

10. "na presença de nosso Senhor Jesus em sua vinda” (cf. I Ts 2.19)

Há pelo menos quatro maneiras que os autores do NT se referem ao retorno de Jesus.

1. epiphaneia, que se refere ao brilho deslumbrante que é teologicamente (embora não etimologicamente) relacionada com "glória”. Em II Tm 1.10; Tito 2.11 e 3.4, refere-se à primeira vinda de Jesus (i.e., encarnação) e Sua Segunda vinda. É usada em II Ts 4.8 que inclui todos os três termos principais para a Segunda Vinda: I Tm 6.14; II Tm 4.1, 8; Tito 2.13.

2. parousia, que implica presença e originalmente referia-se a uma visita real. É o termo mais amplamente usado (cf. Mt 24.3, 27, 37, 39; I Co 15.23; I Ts 2.19; 3.13; 4.15; 5.23; II Ts 2.1, 8; Tiago 5.7, 8; II Pe 1.6; 3.4, 12; I João 2.28).

3. apocalupsis (ou apocalypsis), que significa um tirar o véu para o propósito de revelar. É o nome do último livro do NT (cf. Lucas 17.30; I Co 1.7; II Ts 1.7; I Pe 1.7; 4.13).

4. phaneroō, que significa trazer à luz ou revelar ou manifestar claramente. O termo é usado muitas vezes no NT para muitos aspectos da revelação de Deus. Como epiphaneia, pode referir-se à primeira vinda de Cristo (cf. I Pe 1.20; I Jo 1.2; 3.5, 8; 4.9) e Sua segunda vinda (cf. Mt 24.30; Cl 3.4; I Pe 5.4; I João 2.28 3.2).

5. O termo muito comum para "vinda”, erchomai, é também usado ocasionalmente para o retorno de Cristo (cf. Mt 16.27, 28; 23.39; 24.30; 25.31; Atos 1.10, 11; I Co 11.26; Ap 1.7, 8).

6. É também usado com a frase "dia di Senhor” (cf. I Ts 5.2), que é um título do AT para o dia de bênção (ressurreição) e juízo de Deus.

O NT como um todo é escrito dentro da visão de mundo do AT, que afirmava

a. uma era do mal, rebelde atual

b. uma nova era de justiça que se aproxima

c. uma era provocada pela agência do Espírito através da obra do Messias (O Ungido)

A suposição teológica da revelação progressiva é exigida porque os autores do NT modificam levemente a expectativa de Israel. Em vez de uma vinda militar, nacionalista (Israel) do Messias, há duas vindas. A primeira vinda é a encarnação da divindade na concepção e nascimento de Jesus de Nazaré. Ele veio como o "servo sofredor” não-militar, não-judicial de Is 53; também o humilde cavaleiro sobre o filhote de um jumento (não um cavalo de guerra ou mula real), de Zc 9.9. A primeira vinda iniciou a Nova Era Messiânica, o Reino de Deus na terra (veja o Tópico Especial: O Reino de Deus). Em um sentido o Reino está aqui, mas claro, em outro está ainda muito distante. É esta a tensão entre as duas vindas do Messias (veja o Tópico Especial: Messias) que, num sentido, é a sobreposição das duas eras judaicas (veja o Tópico Especial: Esta Era e a Era Por Vir) que era invisível, ou pelo menos não clara, do AT. Na realidade, esta vinda dupla enfatiza o compromisso de YHWH de redimir toda humanidade (cf. Gn 3.15; 12.3; Êx 19.5 e a pregação dos profetas, especialmente Isaías e Jonas).

A igreja não está esperando pelo cumprimento da profecia do AT porque a maioria das profecias refere-se à primeira vinda (cf. Entendes o Que Lês?, pp. 217-218). O que os crentes realmente preveem é a vinda gloriosa do Rei dos Reis e Senhor dos Senhores ressurreto, o cumprimento histórico esperado da nova era de justiça na terra como é no céu (cf. Mt 6.10). As apresentações do AT não eram imprecisas, mas incompletas. Ele virá novamente exatamente como os profetas previram no poder e autoridade de YHWH.

A Segunda Vinda não é um termo bíblico, mas o conceito é a visão de mundo e estrutura do NT inteiro. Deus corrigirá tudo. A comunhão entre Deus e a humanidade criada à Sua imagem será restaurada. O mal será julgado e removido. Os propósitos de Deus não podem, não falharão!

A igreja primitiva adorara tanto o sábado e o primeiro dia da semana (ou seja, o domingo, dia da ressurreição). A Sinagoga dirigiu-se ao crescente movimento cristão através da exigencia de que seus membros rejeitasse Jesus como o Messias (ou seja, o Dezoito Bênçãos). Neste ponto (ou seja, A.D. 70) os cristãos se reuniam exclusivamente no domingo.